Filmes que retratam a juventude são inspiração para atividades com estudantes

Publicada em
10 de janeiro de 2017

A analista de projetos da Fundação Roberto Marinho Alzira Valéria elaborou uma lista de filmes que moldaram a imagem dos jovens e seus contextos no mundo e que podem inspirar educadores e estudantes em atividades e debates. “É uma seleção com diversidade de gêneros na linguagem cinematográfica, que nos últimos 50 anos construiu simbolicamente com um olhar para as práticas sociais do que é a ‘juventude'”, explica Alzira.

Filme "Últimas conversas" entrevista estudantes do Rio de Janeiro
Filme “Últimas conversas” entrevista estudantes do Rio

 

. Juventude Transviada (título original Rebel without a cause) 1955, EUA. Direção: Nicholas Ray. Drama. Sinopse: Jim Stark (James Dean) é um jovem problemático, e por sua causa, os pais se mudam de uma cidade para outra, até se fixarem em Los Angeles. Certo dia ele é preso por embriaguez e desordem, e no distrito policial, conhece Judy (Natalie Wood), uma jovem revoltada com o pai e um rapaz que atirou em alguns cães. Após ser libertado, tenta se aproximar de Judy, mas cria um desentendimento com o namorado de Judy, que é o líder de uma gangue do colégio. Esta rivalidade vai gerar algumas situações com trágicas consequências.

Por que assistir? Um clássico do cinema produzido num período de efervescência em torno do recém-criado conceito de teenager na década de 50. O filme é um marco que inaugura a indústria cultural voltada para jovens.

 

. Os Incompreendidos (título original Les quatre cents coups) 1959, França. Direção: François Truffaut. Drama. Sinopse: Antoine Doinel, um jovem de apenas 13 anos, caminha por Paris nos anos 50, constantemente em apuros, fazendo arte – daí o título do filme, Les 400 Coups, que na França se traduz por ‘pintar o sete’. O garoto se sente rejeitado pela mãe, quase um fardo impossível de se transportar, e apenas aceito pelo pai adotivo, como algo inevitável que se tem de suportar. Ele se refugia nos livros, principalmente no escritor francês Honoré de Balzac, e no cinema, sua paixão.

Por que assistir? Truffaut dirigiu esse filme aos 26 anos. Aos 27 recebe menção honrosa por ele. O filme não apenas trata sobre tensões de construção de identidade de um jovem como também inaugura o movimento da Nouvelle Vague do cinema francês.

 

. Sem Destino (título original Easy Rider) 1969, EUA. Aventura. Direção: Dennis Hopper. Sinopse: Um road movie americano que conta a história de dois motociclistas que viajam através do sul e sudoeste dos Estados Unidos, com o objetivo de alcançar a liberdade pessoal.

Por que assistir? Um marco na filmografia de contracultura, de uma geração que capturou a imaginação nacional, o filme explora as paisagens sociais, assuntos e tensões na América da década de 1960, tal como a ascensão e queda do movimento hippie. Destaque especial para a trilha sonora com artistas jovens e ícones dos anos 60 e que se consolidaram na história como marcos dessa geração.

 

. Vidas Sem Rumo (título original The Outsiders) 1983, EUA. Drama. Direção: Francis Ford Coppola. Sinopse: Em um subúrbio da pequena cidade de Tulsa, Oklahoma, três órfãos tentam sobreviver onde tudo se restringe a “mexicanos pobres” e “ricaços”. A trinca descende de mexicanos, amarga empregos em postos de gasolina e sofre com a perseguição da polícia. Eles tentam vencer e amadurecer enfrentando os ricos, mas nem tudo acontece como eles planejam. Os acontecimentos são vistos pela ótica do personagem Ponyboy, que gosta de poesia e “…E o Vento Levou”.

 Por que assistir? Baseado no livro homônimo escrito pela jovem Susan Hinton que tinha 15 anos quando começou a escrevê-lo e 16 em 1967 quando foi publicado. A trama pensada por uma jovem trata sobre desigualdades sociais e construção de relações sociais com um olhar poético.

 

. Clube dos Cinco (título original The breakfast club) 1985, EUA. Direção: John Hughes. Comédia dramática. Sinopse: Em virtude de terem cometido pequenos delitos, cinco adolescentes são confinados no colégio em um sábado, com a tarefa de escrever uma redação de mil palavras sobre o que pensam de si mesmos. Apesar de serem pessoas completamente diferentes, enquanto o dia transcorre eles passam a aceitar uns aos outros, fazem várias confissões e tornam-se amigos.

Por que assistir? A obra trata sobre a empatia construída pelo grupo que está reunido em torno da incompreensão de seus hábitos. Questões geracionais e de convívio familiar marcam um recorte do que era ser jovem na américa dos anos 80.

 

. Kids 1995, EUA. Direção: Larry Clark e Gus Van Sant. Drama. Sinopse: O filme é focado em um dia da vida de um grupo de jovens sexualmente ativos de Nova Iorque e mostra seu comportamento diante dessa construção tão referencial na vida de um ser humano durante “a era do HIV” em meados dos anos 90.

Por que assistir? O filme traz questões importantes nas diversas tramas que apresenta sobre como as escolhas da juventude podem determinar a vida de uma pessoa. Aqui o tema é a falta de projetos de vidas. A obra também é um marco estético da juventude urbana na década de 90.

 

. Cidade de Deus 2002, Brasil. Direção: Fernando Meirelles e Katia Lund. Drama. Sinopse: Buscapé (Alexandre Rodrigues) é um jovem pobre, negro e muito sensível, que cresce em um universo de muita violência. Buscapé vive na Cidade de Deus, favela carioca conhecida por ser um dos locais mais violentos da cidade. Amedrontado com a possibilidade de se tornar um bandido, Buscapé acaba sendo salvo de seu destino por causa de seu talento como fotógrafo, o qual permite que siga carreira na profissão. É através de seu olhar atrás da câmera que Buscapé analisa o dia-a-dia da favela onde vive, onde a violência aparenta ser infinita.

Por que assistir? O filme narra pelo ponto de vista de um jovem da periferia do Rio de Janeiro como as escolhas que fazemos na vida desde cedo podem ser determinantes. Buscapé escolheu trabalhar para buscar sua autonomia. Um caminho diferente do optado pelos jovens do famoso “Trio Ternura”, que se envolveram com o tráfico de drogas na Cidade de Deus. Além de retratar um contexto social que não estava nas telas até então e com atores jovens da própria comunidade, a obra também marcou o cinema brasileiro e inaugurou a chamada Retomada, criando paradigmas estéticos com grande alcance internacional.

 

. Edukators 2003, Alemanha. Direção: Hans Weingartner. Drama. Sinopse: Jan (Daniel Brühl) e Peter (Stipe Erceg) são dois jovens que acreditam que podem mudar o mundo. Eles se autodenominam “Os Educadores”, rebeldes contemporâneos que expressam sua indignação de forma pacífica: eles invadem mansões, trocam móveis e objetos de lugar e espalham mensagens de protesto. Jule (Julia Jentsch) é a namorada de Peter, que está passando por problemas financeiros e, por causa deles, está saindo de seu apartamento alugado. Tempos atrás Jule se envolveu em um acidente de carro, que destruiu o carro de um rico empresário. Condenada pela justiça, ela precisa pagar um novo carro no valor de 100 mil euros, o que praticamente faz com que trabalhe apenas para pagar a dívida que possui. Para resolver essa situação os jovens se envolvem numa situação perigosa.

Por que assistir? O protagonismo juvenil está em questão nesse filme. As novas formas de participação social dos jovens são foco numa década em que se apontava críticas para a juventude como apática e despolitizada. O filme também mostra como ações não planejadas podem impactar na vida de maneira irreversível.

 

. Meninas 2006, Brasil. Documentário. Direção: Sandra Werneck. Sinopse: Evelin, 13 anos, está grávida de um jovem de 22 anos que deixou o tráfico de drogas recentemente. Luana, 15 anos, declara que planejou sua gravidez, pois desejava ter um filho só para ela. Edilene, 14 anos, espera um filho de Alex, que também engravidou sua vizinha Joice. Ao longo de um ano é acompanhado o cotidiano destas três jovens.

Por que assistir? O impacto da gravidez precoce na vida de mulheres jovens é o recorte dessa obra dirigida com sensibilidade por uma mulher. Trata-se do foco para uma questão de gênero importante e que evidencia as interseccionalidades das desigualdades nas periferias.

 

. Pro Dia Nascer Feliz 2007, Brasil. Documentário. Direção: João Jardim. As situações que os adolescentes brasileiros enfrentam no sistema de educação público do país, envolvendo preconceito, precariedade, violência e esperança. Adolescentes de locais dos mais variados  de três estados diferentes e de classes sociais distintas falam de suas vidas na escola, seus projetos e inquietações.

Por que assistir? Os jovens são porta-vozes de seus próprios discursos sobre como pensam educação e projetos de vida. De contextos sociais diversos é importante a reflexão que emerge do filme: estamos garantindo o direito à educação aos jovens brasileiros?

 

. Entre os muros da escola (título originalEntre les murs). 2009, França. Drama. Direção: Laurent Cantet. Sinopse: François Marin (François Bégaudeau) trabalha como professor de língua francesa em uma escola de ensino médio, localizada na periferia de Paris. Ele e seus colegas de ensino buscam apoio mútuo na difícil tarefa de fazer com que os alunos aprendam algo ao longo do ano letivo. François busca estimular seus alunos, mas o descaso e a falta de estrutura são grandes complicadores.

Por que assistir? O filme retrata os desafios diários de um professor em sala de aula, se deparando com situações que exigem mediação para dialogar com os jovens. Questões de diversidades etnicorraciais e de gênero aparecem na trama. Os alunos se queixam do método de ensino e essa realidade evidencia o paradoxo entre estar diariamente em uma sala de aula e não absorver nenhum conteúdo. Nos faz pensar se existe um método educacional que seja inclusivo.

 

. Cidade de Deus – 10 anos depois 2015, Brasil. Documentário. Direção: Cavi Borges e Luciano Vidigal. Sinopse: Como o próprio título já diz, resgata os dez anos passados desde o lançamento de Cidade de Deus (2002), longa de Fernando Meirelles e Kátia Lund que recebeu quatro indicações ao Oscar. Procura mostrar as transformações vividas pelos atores do longa na última década. Deram entrevistas atores como Seu Jorge, Alice Braga, Leandro Firmino da Hora, Darlan Cunha, Roberta Rodrigues, dentre outros.

Por que assistir? O foco principal do documentário é acompanhar o que aconteceu com boa parte do elenco do longa-metragem de 2002, tendo em mente sempre a seguinte pergunta: será que uma obra de arte pode mudar a vida de alguém?

 

. Últimas Conversas 2015, Brasil. Documentário. Direção: Eduardo Coutinho. Sinopse: O cineasta Eduardo Coutinho entrevista diversos estudantes do ensino médio público no Rio de Janeiro, perguntando sobre a suas vidas atuais e expectativas para o futuro.

Por que assistir? Último filme de Eduardo Coutinho, o documentarista buscou entrevistar jovens de 16 a 18 anos de escolas públicas do Rio de Janeiro com suas questões sobre a entrada na vida adulta. Quais as expectativas? As percepções? Quem é essa juventude? Destaque para o fato de que nesse documentário não apenas ouvimos as perguntas de Coutinho, como ele também aparece no filme em sua cadeira. São conversas francas com os jovens conduzidas por um artista genial.