Museu do Amanhã

O Museu do Amanhã é um museu de ciências original: um espaço que se dedica a explorar possibilidades, a partir de dados fornecidos por instituições de pesquisa e acompanhamentos dos sinais vitais do planeta no Brasil e no mundo. Em ambientes audiovisuais e instalações interativas, o público é levado a examinar o passado, conhecer as tendências do presente e imaginar futuros possíveis para as próximas décadas.

Conheça

Inaugurado em 2015 na Praça Mauá, o museu conduz a uma reflexão sobre a era geológica em que vivemos, o Antropoceno, período em que o homem se tornou uma força capaz de gerar impacto no planeta, alterar o clima, degradar biomas e interferir em ecossistemas.

É também um museu da ética e da filosofia, um espaço para refletir sobre a decisão de viver de forma sustentável e conviver de forma mais harmônica com as pessoas e com natureza. Temas como mudanças climáticas; crescimento da população e aumento da longevidade; padrões de consumo; manipulação genética e bioética; distribuição de renda; avanços da tecnologia e alterações da biodiversidade são algumas das questões que norteiam as experiências.

O museu tem parceria com algumas das principais instituições da ciência no Brasil e no exterior, como o MIT (Massachusetts Institute of Techonology), a Unesco e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). No Laboratório das Atividades do Amanhã (LAA), as transformações das atividades econômicas são debatidas e experimentadas na prática. Já o Observatório do Amanhã apresenta e estuda informações das últimas pesquisas científicas e tecnológicas em temas relacionados ao museu, além de atualizar os números e dados da exposição de longa duração. A acessibilidade física e de conteúdo fazem parte das premissas do projeto.

Com projeto icônico assinado pelo espanhol Santiago Calatrava, o Museu do Amanhã é uma das âncoras do Porto Maravilha, operação de revitalização urbana da região portuária do Rio de Janeiro. O edifício ocupa 15 mil metros quadrados, em meio a uma área de 30 mil metros quadrados com jardins, espelhos d’água, ciclovia e área de lazer. A construção segue as diretrizes da arquitetura sustentável. Entre as práticas está a utilização da água da Baía de Guanabara no sistema de climatização do museu e nos espelhos d’água e o uso de painéis solares para geração de energia. Ao longo do dia, a estrutura da cobertura do edifício se movimenta, de maneira a captar mais luz solar.

O Museu do Amanhã é uma iniciativa da Prefeitura do Rio de Janeiro, concebido e realizado em conjunto com a Fundação Roberto Marinho, instituição ligada ao Grupo Globo, tendo o Banco Santander como Patrocinador Máster. O projeto conta ainda com a BG Brasil como mantenedora e o apoio do Governo do Estado, por meio de sua Secretaria do Ambiente, e do Governo Federal, por intermédio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

Veja o ebook sobre o Museu em Publicações

Museu é um dos marcos do porto
Inaugurado em dezembro de 2015
Teto se movimenta: mais luz
Edifício ocupa 15 mil m²
Aquarela de Santiago Calatrava
O Portal Cósmico
Cubo da Vida, na segunda área
Antropoceno é a experiência central
O cubo Terra. Fotos: Byron Prujansky e Bernard Lessa
Saiba mais
Programação deste sábado, dia 15, terá seminário, feira orgânica e atividades para adultos e crianças
Instituição vence o Leading Culture Destinations Awards, prêmio britânico considerado o 'Oscar dos Museus'
Painel, com apresentação de Serginho Groisman, reuniu iniciativas para construir um futuro mais sustentável
Premiação Inovacidade 2016 é dedicada a cidades inteligentes e sustentáveis
Representantes da Universidade de Columbia e especialistas brasileiros discutem desafios das metrópoles, no Museu do Amanhã
Sede da Globo Portugal mostra o mais recente museu brasileiro, inaugurado em dezembro
Em três semanas de funcionamento, museu recebe em média 4.500 pessoas por dia
Exposição principal mostra impacto do homem no planeta e questiona: como queremos viver e conviver nos próximos 50 anos?
Museu de ciência leva o público a refletir sobre futuros possíveis
Parceiros na implementação do museu, inaugurado em 2015